Acompanhante do paciente com câncer no espaço hospitalar: sentidos atribuídos a sua função

Denise Fabiane Polonio, Gisele Dhein, Cristiane Pivatto

Resumo


Este estudo objetiva compreender como a função acompanhante do paciente oncológico se constitui e quais as interferências desta no tratamento. A pesquisa foi realizada com 45 sujeitos (15 profissionais, 15 pacientes e 15 acompanhantes de pacientes) de um hospital do interior do Rio Grande do Sul. Os resultados conferem ao acompanhante do paciente as seguintes atribuições: responsabilização pelo suprimento das necessidades básicas do paciente; apoio nas demandas físicas, emocionais, sociais; intermediação das relações entre equipe de saúde e paciente e corresponsabilização pela execução do plano terapêutico definido para o tratamento. Tais representações não foram unânimes, mas evidenciaram que a falta de um sujeito que desempenhe esta função produz no paciente o sentido de desamparo, constituindo limitações ao tratamento. Muitos entrevistados demonstraram desconhecimento da função acompanhante e constatou-se inexistência de protocolo hospitalar que descrevesse a ocupação. A carência foi justificada pela falta de embasamento legal sustentador da temática, apontando assim, a necessidade dessa função ser debatida e integrada à Política Nacional Oncológica.


Palavras-chave


Oncologia; cuidadores; hospitalização; assistência ao paciente.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15536/thema.V17.2020.318-335.1366

Revista Thema

__________________________

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul).
Pelotas/RS - Brasil. 


Indexadores / Indexing

Logotipo do Crossref          

  Logotipo do Latindex